• Equipe Doxa

Funcionários da DOXA sofrem ameaças quando faziam pesquisa eleitoral em Goianésia do Pará

Pesquisadores do Instituto de pesquisa DOXA foram alvos de ameaças quando estavam realizando pesquisa eleitoral na cidade de Goianésia do Pará, sudeste do estado. Um boletim de ocorrência foi registrado pelas vítimas na delegacia da cidade.

De acordo com o boletim, as vítimas estavam passando pela rua Tiradentes, no bairro Rio Verde, quando foram abordados por um homem de meia idade que dirigia uma caminhonete branca, modelo Triton. Ao se aproximar dos pesquisadores, baixou o vidro do carro e proferiu a seguinte frase; ”Se a pesquisa não der Russinho, vocês vão se ver comigo.” Na descrição feita pelas vítimas conta que se tratava de um homem de meia idade, cabelos brancos, vestia uma camisa branca, e foi identificado apenas pelo nome de Mazinho e seria bastante conhecido na cidade.

As vítimas estavam trabalhando em pesquisas eleitorais acerca das intenções de voto para o cargo de Prefeito em Goianésia do Pará, nas eleições suplementares do próximo dia 03 deste mês. Ainda segundo o boletim de ocorrência, no momento da abordagem os funcionários da empresa DOXA estavam devidamente uniformizados e usando chachas.

Após o ocorrido, as vítimas voltaram a ver o homem participando de uma caminhada do candidato Russinho (Solidariedade) pelo Bairro Centro, no município de Goianésia do Pará. As vítimas procuraram a delegacia da cidade para que providencias fossem tomadas em relação às suas seguranças durante o período em que trabalham na cidade. O causador deve ser intimado para prestar esclarecimentos.


Antes dessa ameaça, o carro com dos pesquisadores foi abordado por uma viatura da Polícia Militar, pedindo para o carro parar. Os policiais pediram para os pesquisadores saírem do carro, perguntaram o que estavam fazendo. O coordenador de pesquisa informou que estavam trabalhando, fazendo coleta de dados, mostrou crachás e outras identificações. Mesmo assim, o policial pediu pra abrir o porta-malas do carro pra fazer vistoria. Como não encontrou nada irregular, liberou o carro com os pesquisadores.


267 visualizações0 comentário